HUBBLE

Nesta série o ponto de partida é a apropriação de imagens em alta resolução do cosmos (nebulosas, galáxias, etc.), feitas pelo telescópio de mesmo nome. Elas são trabalhadas em programa de edição onde primeiramente são transformadas em imagens em preto e branco. Em seguida as cores são invertidas, o preto tornando-se branco e vice-versa. O ponto luminoso de uma estrela transforma-se em ponto preto, gráfico, sobre um novo fundo branco, favorecendo uma conexão com o desenho e a gravura. Na sequência, algumas dessas imagens são reunidas e trabalhadas através de recortes e distorções para que seja criado um novo espaço fictício, poético, com novas e inventadas relações entre porções diferentes do cosmos. Um novo universo feito a partir, literalmente, do nosso próprio, ou melhor dizendo feito a partir de índices desse nosso universo, as fotografias do Hubble.






︎︎︎  Bravo! - Ateliê do artista

Manoel Veiga estudou Engenharia Eletrônica na Universidade Federal de Pernambuco onde foi bolsista do Depto. de Física. Essa experiência permanece em sua produção artística na apropriação de fenômenos da natureza (como a difusão e a gravidade) observada em sua pintura e nas intervenções que realiza em obras de Caravaggio, para refletir sobre "a representação do espaço natural na pintura". O artista recebeu a Bravo! em seu ateliê (novembro de 2018) para falar de suas pinturas e das séries Hubble e Matéria escura.
Direção de Henk Nieman. Duração de 5 minutos.













 Index 



cargo.site
São Paulo, Brasil